Bike na mão - pilotagem defensiva

por Cleber Ricci Anderson - guia "Bike na Rua"


Carros estacionados

     Procure passar pelo menos a 1 metro de um carro estacionado. Com alguém dentro, o cuidado deve ser redobrado: passar o mais longe possível e perceber antes se um outro veículo não está na ultrapasssagem. Não tomando estes cuidados, teremos que nos arriscar em manobras de segurança como na foto. Evite problemas.





Curvas

     Numa curva, a velocidade ideal deve ser fixada no último trecho de reta antes do início da mesma.
     Durante a curva, deve-se freiar o mínimo e manter a velocidade ideal, aquela em que não há chances da bicicleta desgarrar pela tangente em nenhuma das rodas. Analisar o piso com antecedência é fundamental para evitar uma queda. Lembre-se que durante a curva podem aparecer poças de água, manchas de óleo, buracos, areia, etc. Fique atento e procure não "deitar" muito a bike.

Freadas

     O freio dianteiro é o mais eficiente e o mais perigoso. Deve-se ter o cuidado de não travá-lo nunca. Se a travada acontecer numa curva ou piso escorregadio, condições em que o atrito com o chão é menor, a probabilidade de um tombo é maior. O freio traseiro também diminui a velocidade, mas como o peso do ciclista é transferido para a frente, quando freamos, o eixo da roda traseira acaba suportando menos peso e a roda trava com maior facilidade, perdendo eficiência.
     A freada ideal deve ser aquela em que a velocidade caia no tempo necessário e que ambas as rodas não travem. Para isso, quando tiver que frear bruscamente jogue o peso do corpo para trás, firme os braços, segure com firmeza o guidom e module os manetes para que as rodas não travem.





Rotatórias e cruzamentos

     Quando cruzar o caminho de um outro veículo, diminuir a velocidade ou parar se for preciso e esperar a vez. Atravesse com a certeza de segurança.

Mudanças de faixa

     Procure andar em linha reta. Evite mudanças bruscas de direção, pois assusta quem vem atrás.
     Quando muda de faixa, o ciclista deve saber olhar por cima dos ombros analisando a segurança, podendo assim mudar de direção. Isso se aplica também antes de curvas e em freiadas, antes de se encostar numa calçada.
     Se um carro está na ultrapassagem ou muito próximo, deve-se sinalizar negociando a manobra; não forçar a passagem, porque geralmente é melhor deixar o carro passar.
     Nunca tomar a atitude de cruzar na frente de um carro sem ter a certeza de que o motorista entendeu seu recado.





Cambiando

     Nas mudanças de relação não se precipite. Procure aliviar momentaneamente a força nos pedais para assim acionar a alavanca de câmbio passando uma marcha de cada vez.
     Em subidas, este alívio deve ser maior, e somente fazer força total depois que tiver a certeza de que a “marcha” entrou.
     Procure nunca pedalar com a corrente cruzada e quando se aproximar de um farol (semáforo) fechado, reduza a marcha para ficar pronto para a arrancada. Se não der tempo, pare, coloque um dos pés no chão, levante a roda traseira do chão e engate uma marcha boa para arrancar.

Atenção no trânsito

     Ficar atento no que acontece à sua frente. Transitar numa velocidade adequada para aquele trecho. O ideal seria estar sempre na velocidade mais próxima à do fluxo dos motorizados. Num corredor ou engarrafamento, vencer os carros em velocidade moderada, desta forma teremos maior tempo de contato para demonstrarmos nossas intenções.





Na chuva

     Pilotar na chuva requer cuidados redobrados. Os movimentos não podem ser bruscos. As freiadas devem começar com muita antecedência sem que aconteça o travamento e deslizamento das rodas. A distância em relação aos outros veículos deve ser maior. Nas curvas, diminuir a velocidade bem além do normal e não deitar em demasia. Se aparecer algum ponto de menor atrito, mais liso, aumentar o raio da curva e retomar ao traçado novamente com cautela.